Nunca se sinta só


Um dia uma professora pediu a seus alunos para escrever os nomes de cada colega da sala em dois pedaços de papel, deixando um espaço entre cada nome.

Então ela falou para que eles pensassem na melhor coisa que eles poderiam dizer sobre cada um de seus colegas de sala e escrevessem no papel.

Esta atividade levou quase a aula toda para ser terminada, e quando os estudantes saíram, cada um entregou seu papel a professora.

No sábado a professora escreveu o nome de cada estudante em pedaços de papel separados, e abaixo de cada um deles ela escreveu o que todos os colegas pensavam sobre ele.

Na segunda-feira ela deu para cada aluno sua lista.

Depois de um tempo, a classe toda estava sorrindo.

"Mesmo?", ela escutou alguém sussurrar.

"Eu nunca soube que eu significava alguma coisa para alguém! " e " Eu não sabia que os outros gostavam tanto de mim." eram a maioria dos comentários.

O tempo passou e ninguém nunca falou sobre os papéis na sala de novo.

Ela nunca soube se discutiam sobre eles depois da aula ou com seus pais, mas não tinha problema.

O exercício tinha cumprido com seu objetivo.

Os alunos estavam felizes com eles mesmos e uns com os outros.

Aquele grupo de alunos se dispersou.

Muitos anos depois, um dos alunos foi morto no Vietnã e a professora foi ao funeral daquele aluno especial. Ela nunca tinha visto um patriota num esquife militar antes.

Ele parecia tão bonito e tão maduro.

A igreja estava cheia de seus amigos.

Um por um que o amava deu sua última caminhada até o esquife.

A professora foi a última a abençoar o esquife.

Quando ela estava lá, um dos soldados que levava o esquife veio até ela.

"Você era a professora de matemática do Mark ?" ele perguntou.

Ela balançou a cabeça: "sim".

Então ele disse:

"Mark falava muito sobre você".

Depois do funeral, muitos dos ex-colegas do Mark foram para uma lanchonete juntos. A mãe e o pai de Mark estavam lá, obviamente esperando para falar com sua professora. "Nós queremos lhe mostrar uma coisa".

O pai dele falou, e tirou uma carteira de seu bolso.

"Eles acharam isso com o Mark quando ele foi morto. Nós achamos que você poderia reconhecer isto".

Abrindo a parte do dinheiro, ele cuidadosamente removeu dois pedaços de folha de caderno que foi dobrado várias vezes.

A professora sabia sem olhar, que aquele papel era o que ela tinha anotado todas as coisas boas que os colegas de Mark falaram sobre ele.

"Muito obrigado por ter feito isso".Disse a mãe de Mark."Mark tinha isso como um tesouro".

Todos os ex-colegas de Mark se reuniram. Charlie sorriu e disse: "Eu ainda tenho minha lista, está na primeira gaveta da minha escrivaninha em casa".

A mulher de Chuck disse: "Chuck me pediu para colocar a lista dele no nosso álbum de casamento".

"Eu também tenho a minha," Marilyn disse. "Está no meu diário".

Então Vick, outra colega, colocou a mão na sua bolsa,tirou sua carteira e mostrou a lista embrulhada e franzida para o grupo.

"Eu carrego isto comigo todo tempo", Vick disse, e sem olhar em volta, ela continuou: "Eu acho que todos nós guardamos nossas listas".

Foi quando a professora finalmente sentou-se e chorou. Ela chorou por Mark e por todos seus amigos que não poderão vê-lo de novo...

A densidade de pessoas na sociedade é tão espessa que nos esquecemos que a vida pode terminar um dia. E nós não sabemos quando isso vai ser.

Então por favor, diga às pessoas que você ama e se preocupa, que elas são especiais e importantes.

Diga a elas, antes que seja muito tarde...

Aceite-as com virtudes e defeitos...
Postar um comentário