A consciência do nada

--------------------------------------------------------------------------------



Desde 1543 quando Nicolau Copérnico mostrou que não éramos o centro do sistema Solar, nossa posição no Universo vem se revelando cada vez menos importante. Um pouco mais tarde, Isaac Newton foi um dos primeiros a afirmar que as estrelas são Sóis como o nosso.



Atualmente, sabe-se que o Sol não passa de uma estrela de quinta grandeza perdido no rabo da Via Láctea, que também não passa de uma modesta galáxia em meio a bilhões de

outras.



Algumas teorias mais recentes e ainda precárias chegam a supor que nosso Universo é apenas um dentre muitos outros possíveis. De qualquer modo, na escala astronômica, somos menos que micróbios amontoados num minúsculo grão de poeira cósmica. A esta altura, o leitor, talvez um pouco chocado, poderia protestar argumentando que, mesmo sendo verídica, como de fato é, posto desta forma, a afirmação é preconceituosa.



Indica um certo descaso injustificado pelos enormes avanços e obras de gerações de grandes homens. De certa forma, o leitor tem sua parcela de razão. Mas, meu descaso não é pelos avanços tecnológicos e muito menos pelos grandes homens. Muito ao contrário, meu protesto é justamente contra as lideranças de plantão que desprezam as lições dos grandes homens.



Segundo as fontes históricas, Copérnico concluiu seus estudos sobre o sistema Heliocêntrico em 1514 mas, devido a problemas com a Igreja, só pode divulgá-los em 1543, coincidentemente, ano de sua morte. Hoje, exceto pelas fogueiras da Inquisição, a situação não mudou muito.



O Antropocentrismo Teológico foi meramente substituído pelo Egocentrismo Capitalista que continua sacrificando vidas e destruindo o planeta. São verdadeiros micróbios hipócritas, orgulhosos da própria ignorância de sua nulidade.



Os grandes homens que escreveram a história do planeta, acima de tudo, revelaram a grandeza da humildade, único atributo capaz de nos fazer gigantes deste Universo infinito.



Somente essa percepção de fragilidade física e a consciência de coletividade poderá assegurar nosso futuro.



O planeta Terra, independente de nossa vontade, seguirá seu curso cósmico, mas a inteligência que aqui existe é algo muito raro e especial para servir apenas às frivolidade e intrigas de alguns micróbios.
Postar um comentário