A roupa do mandarim

--------------------------------------------------------------------------------



Quanto pesa a responsabilidade de um cargo?



Observa-se que muitos perseguem nomeações para cargos e disputam, com ardor, lugares que lhes conferirão autoridade sobre outros.



Contudo, quando assumem postos de comando esquecem-se dos objetivos reais para os quais foram ali colocados, passando a agir em seu próprio favor.



Tal posição nos recorda a história de um homem que foi nomeado mandarim, uma espécie de conselheiro na China.



Envaidecido com a nova posição, pensou em mandar confeccionar roupas novas.



Seria um grande homem, agora.



Importante.



Um amigo lhe recomendou que buscasse um velho sábio, um alfaiate especial que sabia dar a cada cliente o corte perfeito.



Depois de cuidadosamente anotar todas as medidas do novo mandarim, o alfaiate lhe perguntou há quanto tempo ele era mandarim. A informação era importante para que ele pudesse dar o talhe perfeito à roupa.



Ora, perguntou o cliente, o que isso tem a ver com a medida do meu manto?



Paciente, o alfaiate explicou: "a informação é preciosa.



É que um mandarim recém-nomeado fica tão deslumbrado com o cargo que anda com o nariz erguido, a cabeça levantada. Nesse caso, preciso fazer a parte da frente maior que a de trás.



Depois de alguns anos, está ocupado com seu trabalho e os transtornos advindos de sua experiência. Torna-se sensato e olha para diante para ver o que vem em sua direção e o que precisa ser feito em seguida. Para esse costuro um manto de modo que fiquem igualadas as partes da frente e a de trás.



Mais tarde, sob o peso dos anos, o corpo está curvado pela idade e pelos trabalhos exaustivos, sem falar na humildade que adquiriu pela vida de esforços. É o momento de eu fazer o manto com a parte de trás mais longa.



Portanto, preciso saber há quanto tempo o senhor está no cargo para que a roupa lhe assente perfeitamente."



O homem saiu da loja pensando muito mais nos motivos que levaram seu amigo a lhe indicar aquele sábio alfaiate, e menos no manto que viera encomendar.
Postar um comentário